Empreender é como andar de skate: tem que cair muito para dar certo

Seis vezes campeão do circuito mundial de skate e dono de diversas medalhas do X-Games, principal competição de esportes radicais, Sandro Dias – o Mineirinho – é um dos maiores atletas da história do esporte mundial. Mas o paulista de Santo André não se satisfez com o sucesso nas pistas: ele também é um multiempreendedor.

O skatista é fundador da Sandro Dias Shop, Sandro Dias Camp, da Dual Footwear e investidor de diversos projetos. “Só posso agradecer pela vida que eu tenho e por tudo que eu construí. Trabalhei muito para isso.”

Filho de um empresário e formado em administração de empresas, Sandro Dias conta que assustou seu pai quando o informou que seria skatista profissional – ele trabalhava no empreendimento da família, um negócio do ramo de mineração.

“Ele ficou enciumado, questionando o porquê de abrir mão de um trabalho certo por algo como o skate. Mas eu não tinha dúvidas: queria construir minha própria história.”

Sandro Dias Camp, acampamento de skate para crianças e adultos (Foto: Divulgação)Sandro Dias Camp, acampamento de skate para crianças e adultos (Foto: Divulgação)

Já no skate, Mineirinho chegou a ser patrocinado por diversas empresas. “De moleque eu já ganhava mais do que se fosse assalariado com meu pai.” Com o tempo, percebeu que relação com esses patrocinadores seria mais importante do que imaginava – o seu mais novo negócio, a Dual Footwear, é resultado disso.

Sandro conta sobre sua primeira experiência com o empreendedorismo: mesmo sem saber muito bem o que fazer, comprou o halfpipe (pista onde se pratica o skate vertical) de um amigo e começou a alugar para eventos.

“Aquilo era um elefante branco, mas consegui transformar num negócio de sucesso. Se você pensar em qualquer evento de skate vertical com um half itinerante, tem o meu nome lá, escrito na pista”, diz.

O processo, no entanto, não foi simples: houve tempos difíceis no negócio. “Teve ano que só aluguei uma vez. Não tem jeito, tem que acreditar que vai dar certo.” E deu. A pista, que cabe numa carreta, é utilizada em diversos eventos de skate até hoje em diversas partes do Brasil.

Depois da primeira experiência, Mineirinho não parou mais. Fundou o Sandro Dias Camp em 2015, um acampamento de skate para crianças e adultos. Todo o projeto foi pensado por Sandro e sua mulher, Gabriela Müller.

“Percebemos que um acampamento seria financeiramente interessante por uma série de motivos: pode ser usado em temporadas e bastam alguns beliches e comida simples para o conforto de quem vai.”

Após o projeto, lançou a Sandro Dias Shop, loja física de skate wear, que agora opera em um e-commerce terceirizado. Segundo o skatista, o modelo facilita a logística do negócio – e diminui a necessidade de sua presença física.

Sandro Dias e Mauro Moraes, fundadores da Dual Footwear (Foto: Divulgação)Sandro Dias e Mauro Moraes, fundadores da Dual Footwear (Foto: Divulgação)

Menina dos olhos

Sandro e sua família sofreram um assalto em Bragança Paulista, no condomínio onde viviam há três anos. “Me senti obrigado a voltar para os Estados Unidos”, diz.

Mesmo fora do país,  ele não parou com os projetos. Ao lado dos skatistas Mauro Moraes e Rederson “Kamarão”, fundou a Dual Footwear, marca de tênis e roupas totalmente brasileira. Depois de tantos anos patrocinado por diversas marcas, decidiu trabalhar com a sua própria, onde atua como principal atleta.

Segundo Moraes, diretor de marketing e sócio da empresa, toda a produção é realizada no Brasil. “A nossa intenção é trazer para o mercado uma marca de skate totalmente brasileira”, diz o empreendedor.

A linha atende diferentes públicos, desde o atleta de elite até clientes casuais. “A ideia é que o tênis não fique voltado para o mercado de skatistas. Esse foi o erro de muita gente que empreendeu na área.”

De acordo com Sandro, que aos 42 anos espera conseguir uma vaga nas Olimpíadas de Tóquio 2020, primeira vez em que o skate será disputado na competição, o produto tem como característica a tecnologia. “A gente atua como uma startup, sempre em busca das principais novidades.”

Moraes diz que o projeto é a “menina dos olhos” dos amigos – e que está muito orgulhoso de empreender num mercado que tanto conhece. Para Sandro, multiempreendedor, entrar nesse projeto foi uma escolha planejada.

“Recebo muitos convites, mas acho que só vale a pena investir o seu dinheiro quando você sabe que o negócio vale a pena e que as pessoas envolvidas estão comprometidas com o projeto.”

Questionado se empreender é mais difícil do que andar de skate, Sandro não hesita: “sou skatista há 33 anos e empreendedor há 11; hoje vejo que praticar o esporte é mais fácil. Eu ainda não sei tudo de empreendedorismo.”

Mesmo assim, afirma que vê similaridades nas duas trajetórias. “Empreender é como andar de skate: tem que cair muito para dar certo. Hoje, agradeço e posso dizer que sou bem-sucedido dos dois lados.”


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *